Tudo começou com uma bala de canhão…

em 8 de junho de 2021 por MAGIS Brasil

No último domingo, aconteceu o GAVI Nacional reunindo mais de 70 jovens.

Neste domingo, 6 de junho, aconteceu o GAVI Nacional que é um evento que reúne jovens de todo o Brasil inquietos vocacionalmente, para momentos de oração, reflexão, partilha e intercâmbio cultural. Pela segunda vez consecutiva o evento foi realizado na modalidade on-line, o que possibilitou a participação de cerca de setenta jovens, além dos jesuítas que os acompanham nos GAVIs – Grupos de Acompanhamento Vocacional Inaciano, outros jesuítas, candidatos à Companhia de Jesus e convidados.

Nesta edição, alinhado com a proposta do Ano Inaciano (2021-2022), em que a Companhia convida todos a peregrinarem com Santo Inácio de Loyola para “ver novas todas as coisas em Cristo”, o GAVI Nacional teve como tema “tudo começou com uma bala de canhão…”, proporcionando aos participantes reflexões sobre como um acontecimento trágico na vida daquele jovem nobre basco no século XVI marcou o início do seu processo de discernimento da vontade de Deus para sua história, levando-o a colocar Cristo no centro de sua vida, resultando não apenas na sua conversão pessoal, mas também em suas obras, que permanecem até os nossos dias, as quais os jovens de hoje são chamados a conhecer, continuar e aperfeiçoar.

Como forma de celebrar a universalidade da Companhia de Jesus, o encontro contou com a participação de convidados brasileiros e estrangeiros, que partilharam um pouco da sua história e seu modo de viver sua vocação e seu ministério, considerando não apenas os acontecimentos agradáveis em suas trajetórias, mas também suas feridas e as dificuldades enfrentadas, que tiveram papel importante na configuração de sua resposta ao chamado de Deus.

Logo pela manhã, o padre Marcos Vinícius Sacramento de Souza, SJ – coordenador nacional dos GAVI e do Plano de Candidatos à Companhia de Jesus na Província do Brasil, deu as boas-vindas aos participantes assinalando que o processo de discernimento vivenciado atualmente por muitos dos presentes também foi vivido por Santo Inácio a partir do momento em que se viu atingido por uma bala de canhão enquanto defendia uma fortaleza na cidade de Pamplona. De forma bem-humorada, o anfitrião considerou que, após ser atingido pela bala de canhão, Santo Inácio “entrou para o GAVI da vida”.

Na sequência, após um momento de oração inspirado na experiência da conversão do apóstolo Paulo e no ferimento de Inácio em Pamplona, o padre jesuíta português Paulo Duarte, que também é dançarino e já foi comissário de bordo em uma companhia aérea portuguesa, contou aos participantes um pouco de sua história, ressaltando que em cada vivência experimentou sentimentos e adquiriu conhecimentos e habilidades que passaram a compor sua personalidade e se tornaram instrumentos de sua ação no mundo, sendo que até mesmo as dificuldades enfrentadas serviram para humanizá-lo, tornando-o mais compreensivo consigo e com os demais, capaz de melhor acolher as diferenças e podendo, com isso, chegar até mais pessoas, levando-as a perceberem como suas cicatrizes revelam não apenas sua vulnerabilidade, mas, sobretudo, a grandeza de Deus, que se comunica inclusive através do corpo e das limitações típicas da condição humana.

Após a fala do convidado, o vocacionado Robert Hando da Silva Santos (do Estado do Pará) e o jesuíta Fabricio Vassoler conduziram o sorteio de garrafas para água, camisetas da Companhia e livros doados pelos Centros MAGIS e Edições Loyola. Em seguida, o vocacionado fez memória do último encontro nacional, ocorrido em outubro de 2020 e que teve como tema “a vocação do irmão jesuíta”. Na sequência, para melhorar a interação e proporcionar o intercâmbio cultural entre os participantes, estes foram chamados a se apresentar em grupos, de acordo com o GAVI do qual participam, ligando suas câmeras e trazendo elementos que representassem a cultura de suas respectivas regiões. O momento foi marcado pela diversidade, criatividade e empenho dos jovens que, a fim de mostrar sua identidade, se esforçaram para compartilhar aquilo que sua terra tem de melhor em termos de culinária, literatura, artesanato, religiosidade, patrimônio histórico e paisagístico.

Em seguida, no mesmo clima fraterno, os participantes se reuniram em grupos nos quais partilharam sobre os acontecimentos e dificuldades que têm marcado seu processo de discernimento vocacional e sobre a forma como se sentem impelidos a responder ao seu chamado. A partir de suas reflexões, foi formada uma nuvem com as palavras escolhidas pelos participantes para descrever os sentimentos e moções interiores que foram percebidas nessa parte do encontro, sobressaindo-se termos como confiança, esperança, gratidão, coragem, autoconhecimento, desapego, disponibilidade, doação, desafio, comunidade, missão e liberdade. Logo antes do intervalo,  foi proposta uma pausa inaciana, oportunidade em que os participantes revisitaram os acontecimentos e sentimentos experimentados até ali e colocaram diante de Deus suas expectativas, agradecimentos e pedidos de graça.

Depois de serem recordados os momentos anteriores ao intervalo, foi apresentado o padre José Laércio de Lima, que dentre outras funções é Secretário para Colaboração, Fé e Espiritualidade e coordenador do Ano Inaciano na Província dos Jesuítas no Brasil, o qual ressaltou a experiência de amor vivida por Santo Inácio, que, após experimentar a dor e a interrupção dos projetos que tinha para si, colocou Cristo no centro de sua vida e a reordenou toda em função d’Ele, passando a ver todas as coisas de acordo com essa nova disposição. O jesuíta ressaltou a importância da abertura pessoal à ação do Espírito Santo e a eficácia da oração como forma de aprofundar a amizade entre o indivíduo e Deus, possibilitando uma melhor compreensão de Sua forma de agir na vida de cada um e uma adesão mais autêntica ao Seu projeto.

Além de considerar o discernimento e a resposta ao chamado de Deus como um processo a ser desenvolvido ao longo da vida e que é preciso escolher seguir Jesus a cada dia, acolhendo Seu projeto como missão pessoal, o jesuíta ressaltou o modo de proceder evangélico da Companhia, que se posiciona até mesmo nas fronteiras do mundo, onde se localizam os descartados e marginalizados, procurando ver a eles e a si próprio com o olhar de Cristo, sem medo de se encontrar com o outro, amá-lo, cuidar dele e servi-lo. Ao final de sua fala, lembrou que o Ano Inaciano é um convite ao aprofundamento e confirmação das Preferências Apostólicas Universais da Companhia de Jesus, dentre as quais se destaca a missão de ajudar as pessoas a desenvolver um novo olhar e a reconhecer sua proximidade com Deus, por meio dos exercícios espirituais e do discernimento, permitindo que Ele aja nelas e através delas.

Ainda na perspectiva do encontro consigo mesmo, com o outro, com suas necessidades, limitações e, sobretudo, com seu valor perante Deus, o SJMR – Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados, através do colaborador Fernando Arnal Calvo (voluntário da ONG Entreculturas, da Espanha), comunicou aos vocacionados uma oportunidade de trabalho voluntário junto à unidade localizada em Manaus-AM. O projeto pretende unir a busca dos vocacionados de refinar sua percepção acerca ação de Deus em sua vida e do chamado ao serviço junto à Companhia de Jesus com a necessidade de pessoas que se encontram em contexto de vulnerabilidades, além de proporcionar a imersão dos jovens na cultura amazônica. Logo após, houve mais um momento de partilha em grupos, em que os participantes puderam refletir e expor sua percepção acerca de sua abertura pessoal à ação amorosa de Deus e sobre a forma como têm vivido a construção de um olhar renovado sobre todas as coisas a partir de Cristo.

Antes da oração final, o padre Jean Fábio Santana – Secretário para Juventudes e Vocações da Província BRA e coordenador do Programa MAGIS Brasil, agradeceu a Deus pelo encontro e ressaltou que jovens de diversas localidades do país estiveram envolvidos na sua preparação e apresentação, o que possibilitou a eles uma vivência do trabalho em rede, típico da Companhia de Jesus, unindo a diversidade de seus dons em torno de um propósito comum: levar mais pessoas a se encontrarem com Deus, a discernirem e atenderem ao Seu chamado. Essa interação, de acordo com o jesuíta, também foi enriquecedora para a própria Companhia, em sua missão de acolher e caminhar com os jovens, proporcionando um espaço propício ao conhecimento mútuo, para em tudo amar e servir, concretizando as Preferências Apostólicas Universais, enfatizadas neste Ano Inaciano.

A oração final, conduzida pelos próprios jovens, expressou gratidão a Deus pelos momentos vividos ao longo do dia, pelas partilhas, pela diversidade de dons e de histórias que se encontraram e pelo impulso a continuar no processo de aprofundamento no amor a Cristo e, através d’Ele, aos outros e a todas as coisas. Terminada a oração, houve manifestação espontânea dos participantes do GAVI Nacional, que ligaram suas câmeras e exibiram mensagens de gratidão e saudações a todos. O momento foi encerrado com a bênção dada pelo padre Marcos Vinícius, SJ. Em seguida, o evento prosseguiu com um sarau, que contou com participação especial do padre Cristóbal Fones, jesuíta chileno e músico aclamado em toda a América Latina. O convidado, impossibilitado de participar ao vivo, gravou um vídeo para os vocacionados brasileiros, em que contou como lidou com acontecimentos considerados “balas de canhão” em sua vida, como a perda do pai, o fato de não ter se casado (que em determinado momento lhe fez sentir notável solidão) e a crise eclesiástica no Chile, ressaltando que tais fatos o impulsionaram a doar-se mais aos outros e a pensar menos em si. Acrescentou que a música lhe traz comunhão com as outras pessoas e que as dificuldades tornam todos mais aptos a amar, revelando-se como caminhos de comunhão mais autêntica. Finalizou sua participação encorajando os jovens e cantando um trecho de sua música “La herida”, lançada recentemente.

Na sequência, encerrando as atividades do GAVI Nacional do ano de 2021, jovens de todo o Brasil partilharam seus dons declamando cordel, poemas e executando músicas, havendo inclusive produções autorais. Cuidadosamente organizadas simulando um passeio de Santo Inácio de Loyola pelo Brasil dos dias atuais – narrado em forma de poema composto pelo vocacionado Gustavo Marcel Filgueiras Lacerda (de Minas Gerais) especialmente para aquele momento do encontro – as apresentações mostraram não apenas a beleza dos talentos individuais e da cultura das diversas regiões do país, mas principalmente a riqueza da união dos esforços e da doação de si à causa comum. Entre os presentes, foi unânime a satisfação com o evento e a gratidão pela experiência proporcionada pela Companhia de Jesus, através do Programa MAGIS Brasil e seu Eixo Vocações, sendo uma ocasião para que pudessem, de fato, ver novas todas as coisas em Cristo, a começar por si próprios, entre seus iguais e perante aqueles que os precederam no processo de responder ao chamado de Deus e que agora os inspiram a viver corajosamente sua vocação.


Texto escrito por Marcos Bueno.
Jovem vocacionado do GAVI de São Paulo que também participou do encontro.

Compartilhar
Twittar
+1