O risco da opção compromisso

em 14 de outubro de 2020 por MAGIS Brasil

“Não há vento favorável para quem não sabe onde quer chegar” (Sêneca)

O sentido da lição que Deus inscreve no sentimento interno, é que irá determinando a orientação que conduzirá cada pessoa a alcançar a sua verdadeira liberdade naquilo que “Deus Nosso Senhor nos der a escolher” (EE 135). Na mão de nossa liberdade está a possibilidade de fazer um caminho, que só vamos conhecer olhando para nós mesmos, descobrindo como é que Deus nos conduz, sobretudo através da consolação. A pessoa tem que ter a capacidade de voltar sobre si mesma e perceber por onde está sendo levada e porquê.

Relendo nossa vida, vamos ver que as marcas encontradas são sinais indicadores do caminho que Deus nos fez e faz andar. Isso porque cada um de nós é único. Eu sou único, original e sagrado e, se eu não descobrir e realizar a minha vocação, algo vai ficar faltando no mundo. Curiosamente, eu me realizo livremente na medida em que escolho o caminho que Deus me dá a escolher. Santo Inácio supõe que a pessoa tem a capacidade de perceber, no processo de discernimento, qual é o sentido, isto é, onde Deus está querendo levar essa pessoa, através de diferentes pensamentos, sentimentos e moções (movimentos internos, que deixam rastros no coração).

Cristo inspira nosso chamado

É na contemplação da vida de Jesus Cristo que encontramos critérios para fundamentar nossa opção de vida. Sem o confronto das marcas de Deus no nosso coração com o horizonte da vida de Jesus Cristo, tudo torna-se um exercício de pura introspecção, que nos fecharia em nós mesmos. Contemplando demoradamente a vida de Jesus, a pessoa vai discernir o que deve ser a sua vida, pela experiência de consolação e desolação, desejos e questionamentos, sinais que a vida de Jesus suscita nela.

Consolados ou desolados, não podemos deixar de ser confrontados e de sermos afetados por Cristo. À medida que se está consolado ou desolado, se pode perceber por onde Deus quer ou não nos conduzir. A consolação é a marca de Deus e seguindo a consolação nós não nos enganamos.

A consolação é o sinal de que a orientação está acontecendo ou que nós estamos caminhando no caminho de Deus. Essa leitura das marcas de Deus na minha vida só é possível quando sou capaz de ler vitalmente a escritura. É assim que o horizonte de minha vida irá se fundindo com o horizonte de Jesus Cristo. Assim, São Paulo podia dizer: “Não sou eu que vive, é Cristo que vive em mim” (Gl 2,20).

Um emaranhado de vida com Cristo

Se a contemplação for produzindo o fruto que Inácio espera dela, se na contemplação não vejo apenas a vida de Jesus Cristo, mas sempre vou da Vida de Cristo para a minha vida e trago minha vida para a Vida de Cristo, chegará o momento em que não dará mais para separar a vida de Cristo e a minha vida.

Texto Bíblico  Mt 5, 1-12

 

# Clique aqui e faça o download da versão para impressão desta reflexão
Veja também a reflexão de semana passada

 

Compartilhar
Twittar
+1