Segundo dia do III Simpósio Nacional ‘’Aproximações com o mundo juvenil’’

em 12 de julho de 2019 por MAGIS Brasil

Evento pauta construção de subjetividades e projeto de vida.

O segundo dia (12), do III Simpósio Nacional “Aproximações com o mundo juvenil”, evento que acontece na Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE), iniciou com a mesa: “A formação das subjetividades e a saúde mental de adolescentes e jovens na contemporaneidade’’. Na sequência, ocorreu a segunda conferência do evento, “Futuro incerto: as novas gerações diante do projeto de vida” e o painel “Experiências de jovens e profissionais na linha da saúde mental”.

No período da tarde, deu-se início aos grupos de trabalhos, um espaço para que pesquisadores de juventudes (ligados à especialização ou não) possam compartilhar e discutir seus estudos e experiências. E, finalizando o dia, aconteceu o coquetel de lançamento de livros, entre eles, o livro lançado em comemoração aos 20 anos da Especialização: “Juventude no mundo contemporâneo: temas em debate”.

A mesa do dia foi composta pelas Dra. Nádia Laguárdia de Lima e Dra. Cérise Alvarenga, onde foram abordadas algumas noções de adolescência e juventude dando ênfase à necessidade de escuta e fortalecimento de vínculos. A Dra. Nádia refletiu sobre como a inserção no mundo adulto nas sociedades modernas surge como uma interrogação para a pessoa já que a transição entre as fases não possui contornos explicitamente demarcados. Nesse sentido, cada adolescente precisa construir seus próprios ritos de passagem, pois não existe um modelo universal de adolescência. A subjetividade se constitui, portanto, a partir dos contextos sociais, políticos, culturais e familiares que cada ser está inserido. Dialogando com essa ideia, a Dra. Cérise aponta a influência desses contextos também na construção daquilo que se entende como saúde ou doença mental e enfatiza a necessidade de se pensar a saúde coletiva, no entanto, estando atento aos modos de ser e fazer de cada jovem. Para além disso, as duas convidadas apostam nos vínculos construídos a partir de relações de confiança tendo a escuta como elemento chave na experiência com os jovens.

Já a conferência foi assessorada pela Dra. Lia Pappamikail da Universidade de Lisboa e apresentou os dilemas e tensões causados nos jovens, fase que muitas escolhas e decisões são exigidas dos sujeitos, gerando sofrimentos psíquicos devido aos cenários de desigualdades. Destacou que também é importante levar em consideração que os jovens lidam com o futuro de diversas formas. Tanto na dimensão social (como a realidade que está inserido, as relações que construiu ao longo da vida e o acesso ao mercado de trabalho e/ou ao ensino superior) quanto na dimensão individual (as marcas da sua história e a construção do seu próprio projeto de vida).

O painel conduzido por Bianca Ferreira Rodrigues apresentou a experiência do programa “Já é” da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) que realiza uma pesquisa transdisciplinar envolvendo conhecimentos de sociologia e psicanálise junto a jovens em conflito com a lei. Partilhando suas experiências com o projeto, a jovem destacou que a principal rede de saída desse contexto são as pessoas que apostam e confiam neles. O desafio é pensar como transportar isso para o contexto macro das políticas públicas.

Os GTs contaram com comunicações orais nos seguintes temas: Juventude e Experiências Religiosas, Saúde na Juventude, Juventude e Projeto de Vida, Participación, Agencia e Identidad Juvenil, Juventude e Processos Educativos e Juventude e Cultura Digital.

Acompanhe o III Simpósio Nacional ”Aproximações com o mundo juvenil” através da página Especialização em Juventude no Mundo Contemporâneo no facebook.

Compartilhar
Twittar
+1